Existe uma medida absoluta, final e inquestionável do bem e do mal, que tivesse sido estabelecida desde os tempos primórdios, e permaneça até não existir mais o tempo? Para alguns a resposta está nos Dez Mandamentos; para outros, depende das condições de tempo e lugar.


Heráclito – nós vemos os opostos (bem e mal) è Deus vê harmonia.


Demócrito – a bondade não é uma questão de ação; depende do desejo interior do homem. O homem bom não é o que pratica o bem, mas o que deseja praticá-lo sempre.


Protágoras – "O homem é a medida de todas as coisas" è Cada um tem o direito de determinar, por si, o que é o bem e o que é o mal. è CAOS


Sócrates – o mais elevado bem que se pode medir tudo é o conhecimento.


Platão – o mundo dos sentidos, doutrinava ele, é irreal, transitório e mutável. Eis o mal. O verdadeiro mundo das idéias puras e imutáveis é o do bem.


Aristóteles – o bem é a atitude racional para com as sensações e os desejos.


Estóicos – o mais alto bem do homem está em agir em harmonia com o mundo.


Santo Agostinho – o mal é ausência do bem, da mesma maneira que as trevas são a ausência da luz.


Abelardo – justiça e injustiça de um ato não estão no ato em si, porém na intenção de quem o pratica.


Santo Tomás de Aquino – o mais elevado bem é a concretização de si mesmo conforme Deus ordenou.


Thomas Hobbes (materialista) – aquilo que agrada ao homem é bom e o que lhe causa dor ou desconforto é ruim.


Espinosa – o esforço de se preservar é um bem; o que entrava esse esforço é um mal.


Kant – se o agente pratica o ato com boas intenções, respeitando as leis morais, o ato é bom.


Deixe um comentário