"Conhecimento é poder." Francis Bacon.

Vou relatar sobre Immanuel Kant, que achava que tantos os sentidos quanto a razão eram muito importantes para a nossa experiência no mundo.
Sobre filósofos empíricos e racionalistas e Chuang.

Um Chinês chamado Chuang sonhou que era uma borboleta;
A borboleta não sabia da existência de Chuang e vivia feliz.
Depois, Chuang não sabia se tinha sonhado que era uma mariposa...
Ou se era uma mariposa sonhando que era Chuang.



Você alguma vez sente medo?
Era uma vez na Rússia, um neurocirugião e um Astronauta falavam sobre religião.
Sim, posso sentir medo.
O neurocirugião era cristão e o Astronauta ateu. E este disse: "Estive no espaço muitas vezes.. e nunca vi Deus ou Anjos."

Então o neurocirurgião replicou: " Operei o cérebro de muitas pessoas sábias, mas nunca vi um pensamento."

Renne Descartes viveu no século 17 e disse algo sobre o pensamento.
Penso, logo existo.


Kant por sua vez achava que havia duas possibilidades em discussão: O mundo seria exatamente como nós o percebemos, ou como se mostra a razão?
Um experimento. Coloque um óculos vermelho sob os olhos. O que você vê?
As mesmas coisas, mas tudo em vermelho, certo?

A explicação para isto é que as lentes dos óculos determinam o modo como você percebe a realidade. Tudo o que você vê é parte do mundo que está fora de você mesmo; mas o modo como você enxerga tudo isto também é determinado pelas lentes dos óculos. Você não pode dizer que o mundo é vermelho, ainda que neste momento ele pareça vermelho.

Não importa o que possamos ver, sempre perceberemos o que vemos sobretudo como fenômenos no tempo e no espaço.
Kant chamava o tempo e o espaço de "formas de sensibilidade". Essas duas formas já existentes em nossa consciência antes de qualquer experiência. Isto significa que podemos saber, antes de experimentar alguma coisa, que vamos experimentá-la como fenômeno no tempo e no espaço. Somos incapazes, por assim dizer, de tirar os óculos da razão.
O tempo e o espaço não existe fora de nós mesmos, pertencem a condição humana, tempo e espaço são sobretudo propriedades da nossa consciência, e não atributos do mundo físico.

A própria consciência coloca sua marca no modo como percebemos o mundo. Podemos comparar isto quando colocamos água num jarro de vidro. A água toma a forma do jarro. Do mesmo modo, as impressões dos sentidos se adaptam ás nossas "formas da sensibilidade".

Por fim, Kant afirma que não é apenas a consciência que se adapta ás coisas. As coisas também se adaptam á consciência. Podemos levar em consideração a afirmação de Copérnico de que a Terra gira em torno do Sol e não ao contrário.
As pessoas levam tudo em conta da "Causa e efeito" isso é simplesmente uma razão humana, por considerar que tudo acontece dentro de uma relação de causa e efeito. Kant diz que está dentro de nós.

Nunca podemos saber com certeza como o mundo é "em si". Só podemos saber como o mundo é "para mim".
Nunca seremos capazes de saber com toda a certeza como as coisas são "em si". Só podemos saber como elas "se mostram" a nós. Em compensação, podemos dizer com certeza como as coisas serão percebidas pela razão humana.

Chega de filosofia por hoje, aprendi muito e vou continuar aprendo cada dia mais a relacionar a minha vida com a antropologia até estar certa da onde viemos e quem somos nós.
O mundo é cheio de perguntas, precisamos achar respostas concretas para elas.
E é isso, antropologia é a parte da minha vida, da minha razão humana a minha essência.
Fim.
Hilde Moller Knag a/c Sofia Amundsen.