Você mora do outro lado da montanha, você mora em outro planeta.
Mesmo assim estamos aqui, agora, sentados no topo da montanha que divide nossos vales, olhando pra mesma lua e falando na mesma língua. Não é incrível? - Sim, é!
Apesar de todas as nossas diferenças existenciais, encontramos semelhanças nos nossos sentidos, e isso é o que basta pra nos entendermos, entende? 
É como se você fosse um réptil e eu um mamífero, apesar das diferenças nós evoluímos de uma espécie, fomos dependentes daquela primeira célula que depois se dividiu e foi dando forma a tudo. 
Hoje, enquanto eu viajava pelo espaço, abri a porta da minha nave e gritei: Ei! Tem alguém aí? - Acabei escorregando e caí. Caí no espaço e cheguei até aqui, ou será que eu subi? Não sei. e também não é isso que importa.  Mas afinal, o que é comum? - Creio que nem mesmo os dias e situações mais banais podem ser ser encaradas como 'normais'. Nenhum dia é igual ao outro. Ou vai me dizer que quando você nasceu o mundo era algo normal?
Não sei quem está sonhando, eu ou você, mas isso é um sonho, e o sonho existe pra preencher o vazio que fica ao perdermos informações que não foram tão úteis assim, mas assim que acordamos novamente, geralmente esses sonhos nos escapam, porque quando abrimos os olhos mais informações já nos vem, e elas são novas porque o dia é novo.